Ao Longo do Lago, de Eric Didier – 1.3

Desta vez a construção em curso de realização é uma casa contemporânea moderna.

Está baseada num plano que encontrei na Web e que modifiquei um pouco:

https://www.mcalpes.com/modele/gardenia/

Além do plano e das medidas, há algumas vista 3D.

A originalidade desta casa consiste nas grandes aberturas que permitem de colocar alguma decoração no interior, pelo menos nas proximidades destas aberturas.

As fachadas são realizadas em cartão madeira de 1.2mm de espessura. Depois cortar as fachadas às dimensões certas para a nossa escala, vem a abertura das janelas, sempre delicado mas que correu bem!

As várias fachadas, da rés de chão e do primeiro andar são coladas com cola madeira rápida, o asserto das posições sendo feito num papel milimétrico.

A casa está assim composta de três peças: a garagem, o rés-do-chão e o primeiro andar.

As paredes interiores são realizadas da mesma forma, considerando evidentemente apenas as paredes que serão visíveis pelas aberturas na fachada.

A pintura das fachadas foi feita com tinta acrílica tal como algumas das paredes interiores. Segui mais ou menos as cores do projecto da casa, gostei.

Finalmente uma parte que requer muita paciência e tempo, a construção do mobiliário que será visível pelas aberturas: sofá na sala, mesa da cozinha com os elementos integrados da mesma, camas, etc.

Procurei na Web fotos de portas interiores, tapetes, biblioteca (para colocar no fundo da sala), etc. que depois imprimir vou colocar no sítio certo. Será perfeito para compor o interior.

Ainda muito para fazer…

Ao Longo do Lago, de Eric Didier – 1.2

Ao Longo do Lago – Eric Didier

Iniciei a construção de casas de pedras, como se encontram na zona na qual me inspiro para o projecto, que serão encostadas num declive do terreno.

As fachadas são feitas de espuma de borracha de 2 mm de espessura reforçadas com cartão madeira de 1.2 mm de espessura. A espuma de borracha é muito flexível e necessita ser reforçada. No entanto para edifícios pequenos o reforço da estrutura pode ser parcial.

Metodologia

Em primeiro, faço o desenho das fachadas do edifício que quero construir num papel milimétrico, incluindo as portas, janelas, etc. Depois corto as fachadas na espuma de borracha e também o reforço das fachadas no cartão madeira de 1.2 mm. Faço as aberturas das portas e janelas. A partida, usando a espuma de borracha de 2 mm, as paredes têm 2 mm de espessura, ou seja 32 cm a escala de protótipo, valor coerente para casas de pedras antigas. Atenção, a dimensão das aberturas no cartão madeira devem ser maior que a dimensão das mesmas na espuma de borracha, pois tem que se deixar espaço em torno da abertura para colar os quadros das janelas, vidros e cortinas.

A espuma de borracha é fácil marcar/gravar com uma ponta metálica. Tem que se ter cuidado na realização pois é impossível eliminar uma marca que não se quere… é irreversível!

Nas casas que realizo, os quadros das janelas são realizados com pedras grandes e o resto da fachada é de pedra pequena. Leve tempo para gravar, mas o resulta tem um bom visual.

A colagem das fachadas entre elas está feita com cola madeira rápida para o cartão madeira e cola UHU rápida com cianoacrilato para a espuma de borracha. Mas pode também se usar a cola madeira rápida para colar espuma de borracha e cartão madeira.

Os quadros das janelas estão feitos com papel um pouco grosso antes de ser pintados. Os vidros das janelas são realizados usando folhas transparentes. Finalmente as cortinas são simplesmente realizadas com papel crépon. As várias peças são coladas com cola madeira rápida: quadros das janelas, vidros e cortinas.

As portas são feitas de perfis plásticos da Evergreen ou de impressão em papel, o tipo de porta sendo encontrado na internet.

O tecto tem como base o cartão madeira e o efeito das telhas é obtido com textura REDUTEX autocolante.

As fachadas uma vez juntadas são pintadas de cinzento claro sem uniformizar, ou seja é mais ou menos cinzento claro. Depois secagem desta camada de base, é aplicada uma pátina branca, localmente, mais ou menos, sempre com o intuito que as fachadas não devem ficar de cor uniforme, mas apresentar uma variação suave. Depois se aplica mais ou menos localmente um castanho mais ou menos diluindo, secando o pincel entre cada aplicação muito leve, misturando ocasionalmente o castanho com pátina ocre.

Para o escoamento das águas do tecto são utilizados perfis Evergreen meio redondo de 1.5 mm de diâmetro e redondo de 0.75 a 1 mm de diâmetro. Os perfis são pintados depois de dar a forma que se quere em cinzento claro. São colados com cola para perfis plásticos.

A cheminé é construída com perfis Evergreen, 3.2 x 3.2 mm, cortando a base com o angulo certo do declive do tecto. O chapéu é feito com perfis 0.5 x 0.5 mm e um quadrado de 4 x 4 mm de 0.25 mm de espessura.

Casa 1

Esta casa é simples e pequena, o reforço é feito com bandas de cartão madeira apenas. As portas são de impressão em papel.

Casa 2

Esta segunda casa é um pouco mais complexa que a primeira e de maior dimensão. Um reforço das fechadas foi feito com cartão madeira para o edifício principal e a garagem ao lado. A garagem foi adicionada à casa original e esta com uma fachada de betão enquanto as fachadas da casa são de pedras.

A casa tem uma cave com acesso por uma rampa e escadas e a entrada da casa esta por cima com um suave declive do terreno e 3 escadas para aceder ao terraço e porta de entrada.

Ao Longo do Lago, de Eric Didier – 1.1

Maquete com 3 módulos de 80x40cm ou seja uma maquete de 240cm de comprimento e 40cmde largura

Sem reproduzir um sítio específico, a maquete se inspira da linha Paris-Chambéry-Modane-Milan na zona do “Lac du Bourget” perto da cidade de Aix-les-Bains, na Savoie em França. Nesta zona a via dupla eléctrica segue o lago ao pé de uma encosta rochosa. As composições que circulam e que circularam têm grande variedade: transporte de mercadoria, serviço passageiro local e internacional (TGV e comboios de noite).

Época retratada dos anos 80 até agora

2019-09-20 – Construção dos módulos com base de contraplacado de 10 mm e kline de 10mm e desenho da linha dupla com entre eixo de 25.5mm e curva e contracurva suave com raios de curvatura de 2.4m. A via vai ser colocada na plataforma de kline, o lago se encontrado a um nível inferior na base de contraplacado.

2019-10-18 – Colagem da plataforma de cortiça de 2mm

2019-11-14 As linhas foram finalmente coladas na plataforma de cortiça! Tive que realizar a junção entre um pequeno troço de linha código 80 (na zona de ligação prevista entre módulos na zona de separador cénico) e o resto da linha código 55 que esta na maquete. Dá um pouco de trabalho mas a linha com código 55 é realmente mais fina que a 80.

Colei uma primeira via, neste caso a via exterior. Deixei secar. Cortei no cartão madeira (neste caso de 1.2mm de espessura) guias para acertar a largura entre as duas vias e ter o entre eixo certo.

Colei a segunda via encaixando bem esta contra as guias. Coloquei alguns pesos na linha para segurar tudo e tirei as guias para não ter o risco de colar à via.

Adicionei um leve relevé na curva. Para tal, tem que se realizar um declive suave entre a posição sem relevé (carris no mesmo nível) e o máximo que se pretende. Na realidade, o relevé máximo, nas linhas francesas, é da ordem de 16 cm, ou seja 1 mm na escala N, entre os dois carris. Aqui, como a curva é curta, o relevé entre carris é de apenas 0.3mm, mas já chega para ser visível.

Coloquei na extremidade exterior da linha ripas de plástico de 0.25 e 0.50 mm, com espeço de 6 cm entre elas. Vê se a primeira linha já colada com as ripas por baixo da linha e as ripas no sitio certo para a segunda linha.

O resultado:

Voila ! o primeiro módulo já esta com a via posta J

Agora, mesmo tratamento para o segundo módulo, mas tem que se acertar bem a continuidade e alinhamento da linha entre os dois módulos.

Ptito-Val

Dimensões: 70 x 56 cm, num formato show-case. A montanha no centro da maqueta é utilizada como separador cénico entre o lado da estação e a zona de campanha.

Linha mista: minitrix, PECO código 55 e código 80.

Agulhas minitrix, funcionamento manual com sistema de “puxa-empurra”.

Alimentação analógica.

Edifícios realizados em cartão-papel, tal como as entradas do túnel e a ponte.

Modificação da maquete: para melhorar o jogo nesta maquete e mudar as composições que circulam, um resguardo está em curso de realização, utilizando uma placa deslizante com 3 linhas. Necessita modificar a zona onde se encontra o armazém para permitir o acesso ao resguardo.

Proudly powered by WordPress | Theme: Baskerville 2 by Anders Noren.

Up ↑